O Mundo Surrealista Hipnótico de Sergio Ricciuto Conte

foto sergio ricciuto 1.jpg

Organizando nossa exposição INTERSEÇÕES, nós batemos um papo com o artista Sérgio Ricciuto Conte, o artista que pinta belas cenas poético surrealistas.

O que você faz?

Sou Sergio Ricciuto Conte, sou artista plástico. Pintor e ilustrador.

Com que idade decidiu fazer arte como trabalho?

Decidi fazer arte como trabalho, profissionalmente, tarde! Eu sempre fiz arte, mas escolher por trabalho, foi tarde. Foi com mais de vinte e cinco anos. Porém, sempre fiz. Desde que tinha seis anos realizava pinturas, desenhava. Mas que fosse meu trabalho, já era tarde: acredito que foi no 2008.

Você estudou arte? Na Universidade?

Sim. Eu me formei no Instituto Estatal de Arte da minha cidade, Foggia, Itália. Cinco anos de decoração pictórica, pintura. Depois fiz um curso no Brasil específico da cultura iconográfica brasileira. A tradição guarani e afro. Tatuagem, formas geométricas, estilizações da arte moderna típica brasileira.

Liberdade Escondida, 2014 | Aquarela sobre papel | 29.5 x 21 cm | R$ 900

O que você faz agora?

Agora, tenho o prazer de criar obras em várias frentes. Primeira frente, a do cavalete, livre. Depois, a frente editorial: jornal, revista, livros, ilustrações também para livros infantis.
E depois frente da chamada pintura funcional. Por exemplo a função litúrgica, religiosa, da igreja. Sou autor de trinta projetos de pinturas para igrejas no Brasil e fora.

O Quarto, 2013 | Aquarela sobre papel | 29.5 x 21 cm | R$ 900

Como você começou a fazer pinturas para igrejas?

Eu comecei como uma atividade pastoral. Isto é, sou católico praticante. Ao invés de fazer atividades na paróquia, digamos clássicas, por exemplo catequese, ou fazer ações concretas de distribuição para moradores de rua, eu agregava a rapaziada e pintávamos os muros.
Comecei fazendo assim, depois virou uma atividade profissional.

Você fez trinta. Onde?

No Brasil, no Rio de Janeiro, Brasília, Vitória, Salvador, Santos... Na Irlanda, na Itália...

Você pinta em tela em acrílico e também aquarela.

O Carregador, 2014 | Aquarela sobre papel | 29.5 x 21 cm | R$ 1000

Sim.

Aquarela, de uma forma especial?

Fiz uma pesquisa para ver se os véus da aquarela, a camada da aquarela pudesse manter a força da cor também no tecido da tela de algodão. E não somente no papel. Com um certo pigmento, que não é o comum, escolar, com um certo pigmento de aquarela, se tem o brilho da cor como se fosse acrílico ou óleo.

E ao mesmo tempo se pode obter o efeito que só a aquarela pode fazer, marcas d ́agua.
Era uma coisa em que não acreditava muito, nem eu acreditei, porém depois, com a prática consolidei a técnica, faz poucos anos, 2013.

E o tema dos seus trabalhos?

Os meus assuntos podem ser sintetizados em quatro ou cinco.

Primeiro grande assunto é o surrealismo poético. O instrumento do absurdo como saída positiva da realidade. Por exemplo, uma pessoa que carrega uma enorme janela nas costas. Esse contraste passa uma mensagem poética estranha porém positiva. Isso me agrada, como procura surrealista, que na América Latina é forte na literatura. Gabriel Garcia Marques, Pedro Paramo de Juan Rulfo, no México. Se chama realismo mágico. Na literatura é muito forte.

Depois tenho a linguagem sacra, para a igreja, que obviamente não pode ter a mesma poética do trabalho no cavalete, porque deve ser respeitada uma estrutura iconográfica. E ai faço uso da linguagem afro-guarani, do Brasil, de forma mais estilizada, cores mais geométricas, vibrantes. Composições mais simplificadas.

A Passagem, 2017 | Acrilico e aquarela sobre tela | 100 x 80 cm | R$ 4.500

Qual a ideia daquele elefante?

Aqueles dois elefantes compõem uma alegoria. Isto é, eles são uma cadeia montanhosa que se transforma em dois elefantes. E os elefantes se abraçam com as trombas. Porém na realidade representam a paternidade. A relação entre pai e filho. E há um pai e um filho na cabeça dos elefantes que porém não se abraçam.

Então a mensagem é uma mensagem de paternidade perene, da memória. E tem um livro que voa que representa este ser pai de todos os tempos, de todos os espaços. Esse desejo de comunicar a relação do passado, de como meu pai era, como meu filho era, esse desejo de ter presente aquilo que não é mais visível.

Onde você quer chegar com seu trabalho nesse ano, no próximo ano?

Me interessa muito conseguir em qualquer lugar do mundo dar cidadania ao papel. Que meu trabalho sobre a tela possa prosseguir, mas aquilo que me interessa tanto é conseguir que o papel ganhe dignidade. A mesma dignidade do acrílico, o trabalho sobre o papel com aquarela, que tem uma linguagem muito mais intima, frequentemente é desvalorizado, frequentemente é considerado como um trabalho de estudo.

Eu gostaria que ao contrário, fosse um grito artístico forte.

E é! Porque é muito difícil, quando se faz um erro sobre a tela é mais fácil para corrigir.

Sim. É mais visível a mão. É visível a mão do autor. E também porque deixa imaginar o corpo do autor por perto. Eu me lembro que quando fazia lição de pintura, o professor ordenava me afastar do cavalete, eu tinha que estar longe do cavalete. A pintura sobre papel é uma comunicação intime, mais direcionada ao observador.

Momento leve, 2015 | Acrilico sobre tela | 100 x 80 cm | R$ 3.300

E quando você faz essas coisas, usa fotografia, ou é tudo de cabeça?

Preciso de modelos quando se trata de anatomia animal. Quando preciso retratar um corpo de um animal, numa posição particular, eu preciso vê-lo, o animal, por exemplo quando preciso ver a anatomia de uma mosca, de um inseto. Porém a maior parte da composição vem da minha cabeça.

É um desafio, também um jogo. Me vem na cabeça por exemplo uma garrafa, o que posso fazer com essa garrafa para criar poesia? Ao invés de fazê-lo cheia de vinho, a faço cheia de uma rosa que a atravessa. Uma rosa que atravessa a garrafa. Me vem esse desafio. É um jogo. Uma espécie de labirinto de onde devo sair.

Sergio exibirá suas últimas pinturas em nossa exposição Interseções do dia 10 a 16 de Maio na Rua Oscar Freire, 565.

Para ter acesso ao evento de abertura da exposição, favor mandar rsvp para o email info@focusldn.com.